Você sabe o que é um pop it?

É uma peça de silicone que imita um plástico bolha e virou “febre” mundo afora, inclusive no Brasil. De várias cores, tamanhos e formatos estes brinquedinhos são considerados fidget toys, ou seja,  brinquedos de inquietação, em tradução literal e livre. E o interessante é que são de fato considerados brinquedos lúdicos, antiestresse e promotores da atenção.

Por que o pop it pode ser considerado brinquedo que facilita a atenção?

Por que se utilizam de outros canais corporais, ou seja, usa o sentido táctil e o auditivo, onde há uma ação por parte do usuário. O estímulo-resposta, que parece também pipoca estourando sempre fascinou e trouxe curiosidade e atenção nas pessoas.

O pop it também ajuda a desestressar?

Sim, funciona como um alívio, uma descarga de energia acumulada que poderia estar se transformando em tensão, mas que encontra um formato lúdico e relaxante de expressão. A conexão com o barulhinho engraçado (para muitos) e movimentos realizados no aqui e agora (no presente) também são antiestresse!

O pop it é melhor brinquedo que o spinning ring ou outro parecido?

Normalmente o que diferencia estes brinquedos é a novidade. O cérebro adora o que é novo e por isso sempre vai haver um novo fidget toy.

Brinquedo ou jogo?

É brinquedo se seu uso for livre, for simplesmente divertido e possibilitar a criatividade e a imaginação. É jogo se a exploração for dirigida, se tiver alguma regra ou instrução no sentido de ampliar as possibilidades ou ter objetivos. Este pop it pode ser ambas as coisas, pode ser usado destas e outras formas. E se seu filho ou aluno ficar mais distante do Tik tok, ele será ainda mais saudável.

Como um brinquedo pode alterar entre mindfulness (atenção plena) e mindlessness (negligência)?

Tudo depende do propósito e tipo de uso. Se os pais proverem o brinquedo para que a criança “não os perturbe”, para não terem que brincar com ela, ou para que ela “fique quieta” podemos estar perdendo a possibilidade que o brinquedo oferece. Portanto, sempre que possível, reflitam no por que e no como, mais do que no o que.

Por exemplo, entre a criança ficar ligada no Tik tok e ligada na natureza ou no faz de conta, o que irá promovê-la melhor? Ou qual o mal que pode causar? Ou ainda, o que uma criança precisa para crescer plena, saudável e segura?

 


Cadastre-se para ter acesso a informações sobre :
SAÚDE MENTAL NA EDUCAÇÃO,
NEUROCIÊNCIA EDUCACIONAL,
EDUCAÇÃO EMOCIONAL