Campanha Corrente do Bem – Juntos pela Vida! – Prevenção do Suicídio nas Escolas

Por Alcione Marques

Hoje fizemos uma Live, convidados pelo CONVIVA – Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, para falar sobre o Dia “V” – Dia de Valorização da Vida, parte de uma série de ações organizadas em parceria com a UNIFESP e com apoio da Fundación MAPFRE para a Prevenção ao Suicídio nas Escolas da rede escolar do Estado.
Desde o ano passado nós temos buscado desenvolver as ações em prol da Saúde Mental e Emocional no CONVIVA, baseados tanto na nossa experiência com um trabalho multidisciplinar nas áreas da Educação e da Saúde, mas primordialmente buscando ações validadas pela Ciência.
Nesse processo, chamou nossa atenção o fato de que em 2018, o governo do Reino Unido criou um Ministério da Solidão. Eles constataram que a solidão e a falta de conexões sociais tem um impacto tão negativo na saúde, que hoje consideram como uma epidemia e um problema de Saúde Público. Estimam que em torno de 9 milhões de pessoas daquele país enfrentam a solidão, com pouca ou nenhuma conexão social significativa.
Estudos mostram que a exclusão e o isolamento social gera a chamada DOR SOCIAL, que envolve no cérebro as mesmas estruturas da DOR FÍSICA, e que causa mais danos para a saúde do que fumar (por incrível que pareça). A falta de conexões sociais contribui enormemente para a piora da qualidade de vida, para o adoecimento físico e mental, diminuindo a expectativa de vida.
Mas sabemos que a epidemia da solidão não está presente somente no Reino Unido. As transformações sociais na sociedade brasileira nas últimas décadas, a maior concentração da população em centros urbanos, o incentivo ao consumismo, a exacerbação do individualismo, o mau uso das tecnologias digitais, a pouca valorização dos espaços e atividades coletivas, entre outros fatores, têm enfraquecido nossas conexões sociais.
Isso está cobrando um alto preço de todos nós, incluindo-se aqui as crianças, adolescentes e jovens que estão nas escolas, levando ao adoecimento mental crescente das novas gerações. Sabemos que o transtorno mental é um fator importante de risco para o suicídio.
Pela mesma lógica, se como humanos sentimos a DOR SOCIAL pela falta de conexões sociais, há, por outro lado, PRAZER SOCIAL, o bem-estar gerado pelas conexões sociais que hoje se sabe que é altamente protetivo para a saúde física e mental para todos nós e de nossos estudantes.
Nas nossas reflexões para organizar as ações para o Setembro Amarelo e a Valorização da Vida, nos perguntamos: neste contexto de pandemia, como podemos colaborar com algo que possa acender a faísca da enorme potência que a escola tem de um lugar de conexão social, apoio, solidariedade e pertencimento para esses milhões de crianças que estão conosco, fator altamente valoroso na promoção da saúde mental e prevenção ao suicídio?
Como pensar numa ação em que os educadores possam igualmente fortalecer o sentimento de pertencimento e conexão?
Dessa forma nasceu a sugestão da Campanha Corrente do Bem – Juntos Pela Vida, que se juntou a outras tantas ações que já haviam sido pensadas por muitas escolas da rede do Estado de São Paulo. Foi sugerido que todos realizassem, a cada dia da campanha, ao menos uma entre quatro Ações do Bem, ações simples, que pudessem ser feitas tanto pessoalmente como por meio virtual por estudantes, educadores e colaboradores da escola, criando uma Corrente do Bem que pudesse gerar essa enorme conexão nas comunidades escolares.

Estas ações poderiam ser realizadas em todos os sentidos: de estudante para estudante, estudante para educador, educador, de educador para educador, de educador para estudante, etc.:

  • 1ª Ação do Bem – fale com alguém da escola com quem você nunca falou ou que está sumido das aulas presenciais ou do contato virtual.
  • 2ª Ação do Bem – ofereça ajuda a alguém da escola, que pode ser para fazer uma tarefa, para colaborar em um projeto, ou simplesmente para conversar.
  • 3ª. Ação do Bem – peça ajuda a alguém da escola – saber pedir ajuda é uma habilidade socioemocional bastante importante.
  • A 4ª Ação do Bem – faça uma lista de coisas que você aprecia no seu dia e compartilhe com o seu grupo – esta ação foi pensada como um estímulo para a capacidade de reconhecer coisas do dia-a-dia que geram alegria ou outras emoções agradáveis. Parte da condição de estar feliz envolve aprimorar a capacidade de contentamento.

Hoje, 28 de setembro, no DIA “V”, como um educador sugeriu, todos dentro de cada unidade escolar estão tendo a oportunidade de compartilhar como foi participar destas ações, de que forma foram impactados e impactaram o outro. Estas ações estão sendo registradas pelas escolas e enviadas ao CONVIVA, compondo um enorme repositório de boas práticas em prol da promoção da saúde mental nas escolas.
Nós fecharemos o tema da Prevenção do Suicídio nas Escolas no início do próximo mês com uma formação para toda a rede, quando então aprofundaremos os conceitos sobre prevenção ao suicídio, posvenção e as ações possíveis para o espaço escolar. Neste dia, algumas escolas representadas por seus gestores, educadores e estudantes, irão relatar para toda a rede as ações que realizaram neste mês.
Precisamos lembrar que apesar do Setembro Amarelo ser o mês da Prevenção ao Suicídio nas Escolas, as ações precisam acontecer ao longo de todo o ano. A escola é um o lugar com enorme potência para estar com o outro, para o pertencimento, para o cuidado, sobretudo um espaço que precisa ser acolhedor, solidário e protetor.
E não vai haver outra forma de fazermos isso sem ser JUNTOS, sem que todos nós possamos atuar de fato para pertencer e fazer pertencer.

Assista a Live gravada sobre Prevenção do Suicídio nas Escolas

#convivasp #fundaciónmapfre #unifesp
@gouvea.deise
@mariusaugustus
@andersonrosa


Cadastre-se para ter acesso a informações sobre :
SAÚDE MENTAL NA EDUCAÇÃO,
NEUROCIÊNCIA EDUCACIONAL,
EDUCAÇÃO EMOCIONAL